header top bar

section content

Bota-PB e Campinense tentaram subornar o mesmo árbitro na final do Paraibano

Gravações realizadas pela Polícia Civil constatam que dirigentes de ambos tentaram assediar Francisco Carlos do Nascimento, árbitro alagoano que apitou uma das finais do estadual

Por Globo Esporte PB

15/05/2018 às 09h18 • atualizado em 15/05/2018 às 09h19

Foto: Pedro Alves / GloboEsporte.com

O então presidente da Comissão Estadual de Arbitragem de Futebol da Paraíba (Ceaf-PB) – que caiu do cargo após os desdobramentos da Operação Cartola -, José Renato, bem que tentou garantir que a arbitragem da grande final do Campeonato Paraibano de 2018 fosse da Paraíba. Mas não conseguiu. Os clubes finalistas, Botafogo-PB e Campinense, preferiram pôr em prática o intercâmbio de árbitros entre federações nordestinas e pediram à Ceaf-PB arbitragem de fora. Parecia que queriam dar mais lisura aos derradeiros jogos da competição. Mas só parecia. A vinda de um forasteiro não intimidou dirigentes de Belo e Raposa, que tentaram negociar com o árbitro alagoano Francisco Carlos do Nascimento, o Chicão, favorecimento aos clubes no duelo de ida, em Campina Grande.

A redação teve acesso a algumas das interceptações telefônicas realizadas pela Polícia Civil e aos relatórios da investigação e ficou constatado que o presidente do Campinense, William Simões, e o vice-presidente de futebol do Botafogo-PB, Breno Morais, foram atrás do árbitro alagoano para oferecer propina.

Em depoimento, Breno Morais ficou calado e não respondeu aos questionamentos do delegado Lucas Sá (Foto: Reprodução / TV Cabo Branco)

Em uma dessas escutas, datada do dia 3 de abril, dois dias antes do primeiro jogo da final entre Campinense e Botafogo-PB, em Campina Grande, no Amigão, Breno Morais conversa com José Renato sobre as escalas de arbitragem das partidas da final. O presidente da Ceaf-PB informa quais são os árbitros que vão para o sorteio, destacando que Chicão apitará um jogo e Cláudio Francisco Lima e Silva, de Sergipe, ficará a cargo da outra final. Ambos do quadro nacional da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Breno: Quem é que vem de Alagoas?
José Renato: Chicão… Sergipe (é) Cláudio.

Breno então pede que o árbitro alagoano faça o jogo de volta, que seria em João Pessoa, no Almeidão, já que o Botafogo-PB decidiria o título em casa, em virtude de ter feito uma campanha melhor que a do rival ao longo do estadual. O mandatário da Ceaf-PB explica que não daria para fazer isso porque Cláudio iria apitar Atléitico-PR x São Paulo, pela Copa do Brasil, um dia antes da partida de ida do Paraibano. Ou seja, seria cansativo para o árbitro sergipano ficar a cargo da primeira final.

Breno: Bote o menino para Campina… e bote Chicão para aqui no domingo… vamos conversar… tá feito… tá tudo certo.
José Renato: O problema, Breno, é que tem que ser o inverso aí.
Breno: Por que?
José Renato: Cláudio apita amanhã e que não tem como chegar na quinta-feira aqui.
Breno: Quinta de noite?
José Renato: Não presta de jeito nenhum.
Breno: Fica apertado.
José Renato: Nesse caso aí a gente faz o sorteio, né? Porque…
Breno: Nem faz p… nem faz
José Renato: Não… mas tem que ter o protocolo e tal… e na hora eu inverto… eu explico…
Breno: Do jeito que você resolver tá bom.

José Renato, ex-presidente da Ceaf-PB, é apontado pela polícia como um dos principais responsáveis pelo esquema de manipulação (Foto: Reprodução / TV Cabo Branco)

No sorteio, horas depois do diálogo entre os dirigentes, na sala de reuniões da Federação Paraibana de Futebol (FPF), na capital, Chicão foi designado para o jogo de ida, no Estádio Amigão, enquanto que Cláudio Francisco Lima e Silva foi “sorteado” para o confronto do Almeidão.

A partir daí, as articulações de bastidores começaram numa ponte que envolvia João Pessoa, Campina Grande e Maceió. No mesmo dia, Breno Morais acionou um dos seus contatos no meio do futebol em Alagoas, identificado pela polícia como Alex. Interceptações telefônicas registraram o diálogo em que o dirigente do Belo pede para que seu interlocutor consiga acertar com Chicão uma ajuda para o time na partida. Breno, inclusive, lembra a Alex que Chicão supostamente não teria ajudado em uma outra partida de interesse do Belo, em Natal.

Breno: O juiz de quinta-feira em Campina Grande é Chicão.
Alex: Quinta…
Breno: É. Quinta-feira.
Alex: Tá. Então é o seguinte. Já já eu vou atrás, beleza?
Breno: Tá.

[…]

Breno: Certo? Agora tem que trabalhar ele (Chicão) para a gente ganhar lá, né?
Alex: Tá. Pode ficar tranquilo! Pode ficar tranquilo, entendeu?
Breno: Relembra ele do amigo, né? Do amigo aqui…

[…]

Breno: E outra coisa. Lembre daquela vez de Natal que ele não ajudou, né?
Alex: Não. Eu vou falar com ele.

Breno Morais já prestou depoimento na Delegacia de Defraudações e Falsificações e se reservou ao direito de ficar em silêncio.

Trecho de um dos relatórios da Polícia Civil (Foto: Reprodução / GloboEsporte.com)

Presidente do Campinense fala diretamente com o árbitro

Sem qualquer toque na bola, o Clássico Emoção já estava a todo vapor fora das quatro linhas. O protagonismo não era dos atletas, mas dos dirigentes dos dois clubes. A linha utilizada para este duelo era a telefônica. E o emaranhado deste novelo antidesportivo foi descoberto pela Operação Cartola. Se o Botafogo-PB estava tentando garantir um placar favorável na partida de ida da decisão, o Campinense também botou o seu time em campo nesse sentido.

Presidente do Campinense, William Simões, também foi atrás de subornar árbitro alagoano, segundo a investigação (Foto: Cisco Nobre / GloboEsporte.com)

Também no dia 3 de abril, em conversas gravadas pela polícia, o presidente da Raposa, William Simões, é flagrado também querendo entrar em contato com o árbitro alagoano. O presidente raposeiro entra em contato com Danilo Corisco – massagista da FPF que é apontado por alguns denunciantes como interlocutor de Treze e Campinense na abordagem com árbitros -, avisando que Chicão foi sorteado para o jogo de ida da final, como o próprio Simões havia pedido para a Ceaf-PB.

William: É Danilo, é?
Danilo: Diga aí, major. O que é que manda?
William: Tem que ser pessoalmente, né, doutor?

[…]

William: O homem caiu para quarta…. eu pedi o homem… e homem caiu para apitar aqui (referindo-se ao árbitro Chicão).
Danilo: E foi?
William: Foi.

[…]

William: Quando é que a gente pode conversar?
Danilo: Pode ser hoje.
William: Quero hoje… porque a gente começa a resolver as coisas hoje.
Danilo: Onde você está?
William: Estou no Amigão.

[…]

William: Seria bom o seguinte… você não vir para cá, certo?
Danilo: Hum…
William: Quando eu sair do treino, vou em casa, tomo um banho e ligo para você e você diz onde está e eu passo, viu?

[…]

William: Vamos vingar a pisa do seu Galo.
Danilo: (risos).

Diálogo entre William Simões, presidente do Campinense, e Chicão, árbitro da partida de ida da final do Paraibano (Foto: Reprodução / GloboEsporte.com)

Dois dias depois dessa conversa, no dia da partida de ida da final do Campeonato Paraibano, entre Botafogo-PB e Campinense, foi interceptada pela investigação mais uma conversa entre os telefones de Danilo e Simões. Dessa vez, o massagista passou o telefone para Chicão, que estava ao seu lado. O árbitro então falou com o dirigente do Rubro-Negro.

O Campinense venceu o Botafogo-PB por 1 a 0, no Amigão, na partida de ida da final do Paraibano (Foto: Pedro Alves/GloboEsporte.com)

De acordo com a assessoria de comunicação do Campinense, o presidente William Simões não vai se pronunciar no momento, pois o dirigente ainda não teve acesso aos autos do inquérito policial e ainda não foi chamado para depor. De acordo com o delegado da Polícia Civil, Lucas Sá, o dirigente deve ser intimado ainda nesta semana.

Árbitros paraibanos analisam atuação de Chicão

No dia seguinte ao jogo de ida da final, em que o Campinense venceu o Botafogo-PB por 1 a 0 no Amigão, foi registrada pela polícia uma conversa entre o árbitro Renan Roberto e o auxiliar Dguerro Xavier, que também são investigados na Operação Cartola. Eles analisam a atuação do árbitro alagoano na partida e um deles desconfia da performance do colega de profissão.

Dguerro: No de ontem achei umas faltinha meia mandrake a favor do daqui (Campinense). Meu amigo, toda hora era uma bolinha alçada na área, toda hora… a favor daqui (Campinense), sabe?
Renan: Mas ele já fez parada com o daqui, tá ligado? Copa do Nordeste… Chicão já fez…
Dguerro: Deu muita faltinha nas laterais quando era só lateral.
Dguerro: Toda hora era no chão a bolinha pra ser alçada.

Chicão se defende e diz que achava que diálogo era com alguém da FPF

A redação entrou em contato com o árbitro alagoano Chicão para falar sobre os áudios e as constatações da investigação. Ele disse ter conhecimento das escutas e argumentou que não sabia que estava falando com o presidente do Campinense. Para ele, Danilo, que é da FPF, havia passado o telefone para alguém da Federação.

– Existe uma conduta que a Federação que recebe um árbitro de fora dá toda a assistência e paga o hotel. E Danilo é a pessoa que sempre nos dá assistência nesses casos. Eu já trabalhei muito na Paraíba, sempre venho aqui. Então eu achei que estava falando com alguém da FPF. Alguém que estava avisando sobre o hotel e desejando um bom jogo. Eu jamais falaria com o presidente do Campinense, se soubesse que era ele. De jeito nenhum. É muito triste essas coisas acontecerem com a gente. Mas a gente sabe que existem pessoas que vendem o árbitro e o árbitro sequer sabe disso. Acontece muito. Eu estou com a consciência tranquila – disse o árbitro.

Francisco Carlos do Nascimento, o Chicão, tem 40 anos e é o principal árbitro de Alagoas. Faz parte do quadro nacional da CBF e virou árbitro da Fifa em 2012, onde permaneceu até 2014.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/pb/futebol/noticia/bota-pb-e-campinense-tentaram-subornar-o-mesmo-arbitro-na-final-do-paraibano.ghtml

TOTALMENTE RENOVADO

VÍDEO: Com mais elegância e tecnologia, novo carro da Wolkswagen é lançado com festa em Cajazeiras

ENTREVISTA

VÍDEO: João Azevêdo garante que tem planos para fortalecer produção de leite e área da saúde em Pombal

ALÍVIO

VÍDEO: Para vice-presidente do SINDIÁGUA, eleição de João Azevêdo afasta risco de privatização da Cagepa

FASE DE 'ÓCIO'

VÍDEO: Aposentado, jornalista da PB cita ex-colegas da imprensa que ele admira e diz se pretende voltar