header top bar

section content

Morre Tarciso, um dos maiores ídolos da história do Grêmio

Ex-atacante, de 67 anos, tinha um tumor ósseo; o Flecha Negra é o jogador com mais partidas pelo tricolor gaúcho

Por GE

05/12/2018 às 07h11

Tarciso (Foto: Beto Azambuja / GloboEsporte.com)

A torcida do Grêmio perdeu um dos maiores ídolos de sua história. Morreu na madrugada desta quarta-feira, aos 67 anos, José Tarciso de Sousa, mais conhecido como Tarciso Flecha Negra. Campeão da Libertadores e do Mundial Interclubes em 1983, ele é o segundo maior goleador da história do clube, com 226 gols.

A morte do ex-jogador foi confirmada por seu gabinete na Câmara de Vereadores de Porto Alegre. Vereador pelo terceiro mandato consecutivo na capital gaúcha, ele lutava contra um tumor ósseo e estava internado no Hospital São Lucas da PUCRS, em Porto Alegre, há poucos dias. Ainda não informações sobre velório e sepultamento.

Nascido em São Geraldo, no interior de Minas Gerais, Tarciso iniciou a carreira no América-RJ. Foi no futebol gaúcho, porém, que deslanchou. Chegou ao Grêmio em 1973 e defendeu as cores azul, preto e branca por mais de uma década, até 1986.

É o recordista de jogos com a camisa do Grêmio, com 721 partidas. Em número de gols, só perde para Alcindo, que marcou 264. Conquistou ainda o Brasileiro de 1981 e cinco campeonatos gaúchos (1977,1979,1980,1985,1986). O Grêmio ainda não se manifestou sobre o falecimento e possíveis homenagens.

Fonte: GE - https://globoesporte.globo.com/rs/futebol/times/gremio/noticia/morre-tarciso-um-dos-maiores-idolos-da-historia-do-gremio.ghtml

Recomendado para você pelo google

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Se reforma da Previdência não cortar privilégios, sociedade deve ‘gritar’ contra ela, diz padre

INFRAESTRUTURA

VÍDEO: Chuvas destroem ruas de Cajazeiras que não são pavimentadas e moradores cobram ação da Prefeitura

VETERANO DA MÚSICA

VÍDEO: Em Cajazeiras, cantor de renome nacional critica sertanejo universitário: “Virou uma baderna”

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’