header top bar

section content

Brasil vence Copa América com 100% de aproveitamento

Com 6 vitórias, 20 gols marcados e nenhum sofrido, equipe leva troféu

Por Agência Brasil

01/08/2022 às 09h45

Seleção feminina (Créditos: Lucas Figueiredo/CBF)

A seleção brasileira de futebol feminino venceu a Colômbia por 1 a 0 na noite deste sábado (30) e conquistou a Copa América da modalidade.

Esse foi o oitavo título verde e amarelo em nove edições do torneio.

A decisão foi disputada no Estádio Alfonso López, em Bucaramanga, na Colômbia.

O gol da final foi marcado pela meia-atacante Debinha, de pênalti, aos 38 minutos do primeiro tempo.

A infração foi marcada depois de jogada individual da própria Debinha, que atua como avante do North Carolina Courage.

Aos 30 anos, a mineira é a artilheira da era Pia Sundhage (treinadora sueca que assumiu a seleção brasileira feminina em 2019) e ultrapassou a marca de 50 gols com a camisa verde e amarela.

Ela também assumiu o protagonismo quando necessário e liderou o time até o título, que foi o primeiro sob o comando da técnica sueca.

Além das vagas para a Copa do Mundo de 2023 e para as Olimpíadas de 2024, a conquista marcou o sucesso de uma nova geração do futebol feminino nacional.

Pela primeira vez desde 1995, o Brasil não contou, em uma competição internacional, com pelo menos uma das estrelas do trio Cristiane, Formiga e Marta.

As duas primeiras se aposentaram e a camisa 10 está se recuperando de uma cirurgia no joelho.

Dessa forma, foram vários nomes que aproveitaram o torneio para ganhar espaço.

Entre outras, no meio de campo, Duda Santos e Angelina tiveram destaque.

A atacante Adriana, vice-artilheira da Copa com cinco gols, apesar de estar na equipe principal desde 2017, conseguiu ter uma boa participação pela primeira vez com a camisa verde e amarela já que sofreu muito com lesões durante a Copa do Mundo de 2019 e nas Olimpíadas de 2020.

Vale destacar a participação do setor defensivo. Nos seis jogos, o Brasil não sofreu nenhum gol.

As atuações da goleira Lorena e das zagueiras Rafaelle e Tamires foram bastante seguras.

Mas a técnica Pia Sundhage sabe que o time tem bastante a melhorar, principalmente quando enfrentar adversários de um maior nível.

“A final não foi tão bonita. Fomos eficientes para manter a vantagem quando a Colômbia estava criando chances. Foi importante não sofrer gols durante o torneio. Mas, falando da parte tática, sabemos que temos que melhorar. Algumas vezes, as jogadoras vêm do banco e mudam a partida. Mas, outras vezes, isso acaba não acontecendo. Vamos trabalhar para melhorar”, disse a europeia em entrevista coletiva.

MEIO AMBIENTE

VÍDEO: Representante de ONG fala sobre necessidade da coleta seletiva e alerta sobre sinais da natureza

PARABÉNS

VÍDEO: Empresas do Grupo Ivandin Ramalho são eleitas ‘As Melhores do Ano’ em Cajazeiras, aponta pesquisa

CONFUSÃO

VÍDEO: Músicos da banda de Alcymar Monteiro se demitem após repercussão de bronca do cantor durante show

ESPECIALISTA

VÍDEO: Jornalista projeta segundo turno na Paraíba e avalia chances da candidatura de Ricardo Coutinho

Recomendado pelo Google: